segunda-feira, outubro 09, 2006

Falha tecnica do "blogador"

Lamentamos esta interrupção involuntária de progressão do blogue, mas estou actualmente numa fase muita complicada da doença que esta a me roer :/
Desde que possível retomarei o curso das investigações e a luta pelo direitos a mobilidade dos deficientes. Vou em compensação deixar aqui o link de uma publicidade que eu acho muito interessante…
É se?
www.ad-awards.com/inc/video.swf?id=104

segunda-feira, setembro 25, 2006

Padrinho?! Sim, Luigi? O Banco...ah , o Banco! Verei o que eu posso fazer!

Aviso importante ao consumidor: este blog, não contêm quaisquer traças (haha) de luta política.

O seu uso (e abuso) pode é despertar a noção de civismo e de respeito para com as pessoas deficientes, sejam elas motoras ou cerebrais. Em qualquer caso o seu uso não é nocivo (bem, talvez para alguns)

Tenho mais uma vez o triste privilégio de lhe poder reportar que o banco continua no mesmo sítio apesar da promessa feita, e a os respectivos cus gordos sentados neles. Mais uma vez a Família Dom Banco Verdi di Madeiri lá está sentada!
Nada me demove, nem sequer as provocações da Famili (mesmo 6 contra 1 :/ há que ser homem e ter coragem). Dei um salto à junta de Freguesia, onde fui muito bem recebido!: ) Falámos do assunto e foi-me prometido que a situação seria comunicada ao Presidente da Junta…Veremos!

Facto interessante: o banco seria da Câmara e não da Junta…. já estão a ver o que vai acontecer se amanhã o banco ainda lá estiver? : )

Mas bom, mais interessante, falei uns minutos esta manhã com um dos técnicos da Câmara, e depois com o presidente da Câmara. Ficou mais ou menos “combinado” que se vai arranjar muito depressa uma reunião, não para se debater e perceber os problemas de mobilidade para os deficientes e outras pessoas com mobilidade condicionada na Mealhada, mas sim para os resolver! É que com o inverno a chegar, eu não estou a gostar muito da ideia de ter de ver os meus amigos em cadeira de rodas a nadar debaixo de chuva na estrada para ir de um ponto A até um ponto B, só porque alguém mostra má vontade em resolveros problemas, ou por falta de conhecimentos técnicos!

sábado, setembro 23, 2006

Plano de Acção para a Integração de Pessoas com Deficiências ou Incapacidades (PAIPDI)

Um pouco fora do âmbito do objectivo initial deste blogue, uma informação encontrada no Jornal De notícias do dia 19 de setembro de 2006, da autaria da jornalista Alexandra Marques:

"Aprovado pelo Governo a 31 de Agosto, o Plano de Acção para a Integração de Pessoas com Deficiências ou Incapacidades (PAIPDI), que ainda não foi apresentado publicamente, prevê a possibilidade de reduções tarifárias nos transportes - resultante de protocolos -, mais 14% de autocarros com acessibilidades, em Lisboa e no Porto, e a contratação de pessoas incapacitadas por 20 grandes empresas nacionais, num total de 400 estágios e 200 integrações profissionais. Além da comparticipação até 3000 euros para obras destinadas a eliminar barreiras arquitectónicas, em 500 fogos por ano.

O Plano - que tem um horizonte de concretização até ao final da legislatura (2009) - foi discutido com 183 associações e organizações não governamentais e será apresentado pela secretária de Estado adjunta e da Reabilitação, Idália Moniz, na conferência europeia sobre a melhoria da qualidade de vida da pessoa com deficiência na Europa, que decorre entre amanhã e sexta-feira, em São Petersburgo, na Rússia.

Estruturado em três eixos, no capítulo sobre acessibilidades, o documento prevê a criação de um guião técnico para todos edifícios em processo de reabilitação urbana, um curso de formação sobre acessibilidades e design universal para agentes autárquicos com a participação de um mínimo de 80 municípios, bem como a adopção de normas que facilitem o acesso de pessoas com mobilidade condicionada a recintos e espaços desportivos.

Na área do Turismo e Lazer, vão ser publicitados, até 2007, os equipamentos turísticos nacionais que já possuem acessos para deficientes motores, sendo criada pelo Ministério da Economia, uma certificação.

Até 2009, está ainda prevista a conclusão do projecto "Praia Acessível - Praia para todos" que visa facilitar o acesso aos areais marítimos e fluviais.

Apoios no ensino superior
No domínio da educação, o Governo estipula criar, até 2008, 25 centros de recursos para as necessidades especiais de educação em agrupamentos de referência e, até ao final do próximo ano, um manual de acolhimento sobre os apoios existentes nas instituições de ensino superior, para estudantes com incapacidades, incluindo um código de boas práticas

Mais importante será, porém, a consagração legal de um regime de apoio adequado aos alunos com necessidades especiais que frequentam o ensino superior público e privado. A decisão está calendarizada até 2007 e cabe ao Ministério tutelado por Mariano Gago.

Empreendorismo para mil A readaptação ao trabalho para 800 candidatos poderá ser feita em dez centros de reabilitação profissional, num programa cujo prazo de execução vai até 2008.

O Governo promete ainda apoiar a criação do próprio emprego - através do apoio à organização do projecto durante os primeiros três anos de actividade e tenciona desenvolver acções de formação complementar em empreendorismo, destinadas a mil formandos, para que possam adquirir competências e saberes na área da iniciativa empresarial.

Outra intenção manifestada é a existência, nos centros de emprego, de dois técnicos - um conselheiro de orientação profissional e um técnico de emprego - na área da reabilitação profissional. É também anunciada a intenção de criar um serviço de atendimento para pessoas com deficiência nos 18 centros distritais de Segurança Social. Numa primeira fase em Lisboa e no Porto, e até 2009, nos demais distritos.

No apoio directo está prevista a construção faseada de 20 residências autónomas e o aumento em 15% da capacidade dos Lares Residenciais para acolherem pessoas com deficiência, além do aumento de 30% na prestação de apoio domiciliário, para desincentivar a institucionalização.

Novo modelo para os Jogos Paralímpicos
O Plano refere que será criado um novo modelo de promoção e apoio à preparação e participação
dos atletas no Jogos Paralímpicos de Pequim

Serviços de apoio nos transportes públicos
Até 2009, o Plano preconiza a criação progressiva de serviços de apoio a passageiros com necessidades especiais nas infra-estruturas dos meios de transporte públicos.

Criação das comissões Braille e Língua Gestual
Para o próximo ano deverão ser criadas a comissão Braille e a da Língua Gestual, ambas destinadas a promover o reconhecimento e a validação das duas formas de expressão.

Centros para validação de competências
Até 2008, o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social espera que estejam a funcionar seis centros de reconhecimento, validação e certificação de competências. O primeiro está situado em Lisboa

Comparticipações em obras na habitação
O Ministério das Obras Públicas garante de 2007-09, para mil fogos por ano, mais 20% na bonificação para iniciativas de promoção de Habitação a Custos Controlados e mais 10% da taxa de comparticipação para obras de reabilitação apoiadas pelo Instituto Nacional de Habitação, até um limite de 750 fogos por ano."

Veremos! Mas até ver é interessante!
Já agora, o documento em formato ZIP: http://www.d-eficiente.net/dowload/paipdi.zip tirado do site www.d-eficiente.net , merece um volta, a sério!

sexta-feira, setembro 22, 2006

Banco da Discordia Part 2( E havera mais! parte 3, 4, e mais alem)

Hoje, foi a conclusão da semana da Mobilidade da Mealhada… e como já é de desesperar não foi muito conclusivo quando à resolução dos problemas de mobilidade que são a motivação deste blogue.
Apesar de eu estar presente das 9h30 às 12h30, ter esperado calmamente que as entrevistas acabassem… seja marcar presença, e na continuação dos “apesar”, como esse de haver duas cadeiras de rodas, apesar de muita coisa, como promessas de ver alguém da Câmara sentar-se numa delas e dar por aí umas voltas, até, sei lá, um Multibanco ou um caixa de correio, ou mesmo consultar o blog na biblioteca, NINGUÉM da câmara acabou por dar a tal volta :/ Muito negativo ao meu ver. Não faz mal, sou muito persistente…
Ser teimoso, requer por vez uma boa memória… a por falar disto, lembra-se do
Banco da Discórdia?
O Joaquim aceitou posar para as fotos… e ele foi espectacular durante o dia todo, tal como a Ana!
Se há algo que eu não gosto, é que se faça troça das pessoas, então de mim, pior ainda!
O presidente da Junta, Sr Ferreira Ele não esteve com rodeios esta manhã para falar de mim frente ao staff da câmara (e aqui vai um grande Obrigado para a Directora da Biblioteca, Drª Manuela Soares, que apesar do pouco tempo que tinha se mostrou disponível) … eu nunca tive a oportunidade de falar com o tal presidente da Junta, e quanto a este assunto afirmou:
“ eu sei o que o senhor (eu) quer! O banco não está a estorvar, os deficientes conseguem subir!” Resumindo e concluindo, o Banco da Discórdia não se mexe (?!). Desafiado pela Drª Manuela Soares a demonstrar o que dizia, ele aceitou prontamente …e advinhem lá: não apareceu! Que surpresa não é? Hum…porque terá sido? !

12h30 Pausa …Almoço! :9

14hoo, O Joaquim e a Ana aparecem….
Vamos dar um salto à Biblioteca, e já agora que ninguém da CMM aparece vamos ver o banco da discórdia….Meus amigos! Haviam de ter visto o circo que foi!














Foi um aparato, um novo show, e sabem o mais "engraçado"? A multidão não perguntava ao Joaquim a razão do banco estar a o estorvar no passeio, mas a mim onde queria chegar! :/ (há quem nem a ver consiga fazer uso do cérebro)
“Eu dizer a ti, amigo meu cadeira querer passar!”, mas mesmo, continuavam aparentemente sem perceber.
”He pá, pergunta mas é ao Joaquim porque é que ele quer o banco retirado! E explicquem lá ao homem porque é que vocês não o querem tirar!”
Acreditem, ninguém ousou faz^-lo, mesmo com o Joaquim a dizer: “pergunta-me!!!!!!”
Completamente de doidos! Eu passo por cima dos impropério que me foram dirigidos na rua, até a Ana se assustou! A sério, estava a ver que isto ia correr mal para nós. Exceptuando um senhor taxista que nos deu razão, 95% das pessoas presentes, apesar do Joaquim provar que podia virar a esquina com a cadeira de rodas, tiveram uma atitude agressiva perante a situação. Foi um momento complicado, que pelo menos não passou despercebido! Deixámos o local deixando atrás de nós um ambiente pesado. O que também era um pouco a ideia: provocar o debate (mas não uma guerra)
O que eu tirei disto, é que não é CMM a fazer e aplicar lei, mas sim meio dúzia de pessaos a aplicar a sua vontade, tipo "Cosa Nostra da Terceira Idade do Banco Verde"... poderosa família! Godfather à portuguesa :)

Minutos mais tarde, devido ao aparato, tivemos a notícia que o banco iria ser tirado do sítio já a seguir ( ás 16h30 ainda estava lá... por isso veremos quanto tempo vai demorar)
Pouco depois apanhei o Presidente da Junta, e tive que usar uma táctica de ataque frontal já que ele procurava evitar-me:
“-E o banco? , pergunto eu.
-Será retirado! Vai ser já retirado, tive ordens da CMM, e eu nunca disse que o banco não estava a estorvar! ou que era impossivel dobrar a esquina em cadeira de rodas" :/”
No meio do discurso feito ( cujo teor poderá servir mais tarde...nunca se sabe :) ) ficou patente que o banco não seria selado ao chão, mas simplesmente colocado à esquerda do existente. Argumentei que isto já foi feito, e de que cada vez o banco regressou ao síti actual. (Poltergeist?)
"-Então porque não o selar, fixar ao chão?, pergunto.
-Não pode!
-Espera aí, do outro lado da rua estão selados, e aqui não pode? Porquê?
-Do outro lado não estão selados (notem... é um facto, estão fixos com uso de parafusos e porcas....)
- Então e este? aponto para o banco mesmo ao lado. (farei uma foto de noite, é que dia esta a se tornar um pouco "perigoso")?
- So está selado para o manter ao nível do outo que está mais alto. Olhe, se voçês o querem selado, têm de ir falar com a Câmara!
Lindo, aqui vimos mesmo um "autarca" preocupado com a sua população....

Veremos meus senhores o quanto tempo o Banco da Discórdia vai lá continuar, e se algum dia o retirarem, quanto vai demorar a regressar! Enquanto não for tirado, será aqui colocada uma foto TODOS os dias…tenho tempo!
Vou ser muito claro: eu não só quero este banco retirado de lá , como fixo ao chão, aonde quiserem, desde que não impeça o trânsito dos transuentes assim como dos veículos! E por lei, todo o material urbano tem de ser fixo!
Como foi impossível ver alguém da CMM, ficámos curiosos em saber se havia maneira de poder ir até a CMM ver se alguém nos recebia para poder entregar uma série de oficios, neste dia tão especial! Nesta cidade onde, passo a citar este pequeno enxerto do site: http://www.mobilityweek-europe.org/ onde na secção INTERNATIONAL LIST podemos encontrar a Mealhada... e isto:
Actions relative to the theme:
- Realização de uma monitorização da qualidade do ar;
- Realização de um Forum radiofónico sobre o tema;
- Dinamização das ruas fechadas ao trânsito automóvel de modo a torná-las espaços apetecíveis para andar a pé e para a disfrutar do comércio local.
=>A Mealhada mais morta do que é habitual, só mesmo num 15 de agosto!

Permanent measures implemented this year:
- Melhoria de infraestruturas (pavimentos, passadeiras...);
=>Epa, não sei... assim o paviemento à frente do ex-BNU que já está a levantar (feito há 3 semanas!), as rampas feitas no passeio no início de Setembro de 2006, etc... trabalhinhos muito mal feitos. Aliás, se não me dissessem que estavam a melhorar as infraestructura eu nunca adivinharia. É que não parece mesmo.
- Eliminação de barreiras arquitectónicas;




























Como se vê, é impossivel! Estou com bastante curiosidade para saber como poderemos ser recebidos um dia na CMM. Sem mais comentários!

Resolvemos então ir embora visto não haver ninguém disponível para nos receber!
E aproveitámos para tirar uma fotografias de alguns "leves" pormenores técnicos e absurdos que rodeiam a CMM! Uma autêntica vergonha para uma municipalidade que se diz sensível ao assunto e diz que anda a realizar trabalhos de melhoramentos....mas aonde? Teria todo o prazer em ir lá fazer uma reportagem para mostrar que a CMM está a fazer as coisas bem.... à imagem dos passeios rebaixados na travessa do Zé, na Av 25 de Abril? à imagem da rampa que permite subir no passeio que vai até à Biblioteca?, etc... Será que alguém nesta Câmara não tem pouco de vergonha ao dizer ou escrever tais barbaridades no site?



Está à vista! O Joaquim para descer do passeio tem de ser ajudado... e do outro lado não é possível subir para o passeio sem quase levantar a cadeira em peso, devido à vala! :/















Ele tem então de continuar pela via pública ( o que é ilegal, mas a GNR também sabe que há a Lei e há a Razão. É claro que é idiota multar uma pessoa que anda de cadeira de rodas na estrada, se o passeio está intransitável.)
















O Joaquim pensou mandar os oficícios pelos CTT, mas como se vê, não deu. A tampa superior da caixa de correio está demasiado alta até para o Joaquim, que não é baixo! Por isso voltaremos!















Joaquim, Ana, Luis, Pedro, Carolina,…a luta continua!

Sábado dia 23: lá está! ainda ou de regresso não sei, mas lá está! A "Cosa Nostra da Terceira Idade do Banco Verde" revela-se mais poderosa do que o Presidente da Junta de Freguesia!:( Ma qué?

quinta-feira, setembro 21, 2006

Procura-se: civismo; perdeu-se há muito, cheio de bom senso, generoso, simpático, amigável, amigo de toda gente, anda desaparecido há anos...

A menos de 24 horas da "iniciativa" da CMM, para a sensibilização aos problemas das pessoas em cadeira de rodas, ou com mobilidade condicionada, como carrinhos de bebé, em deslocar-se na cidade, achei interessante de divulgar algumas fotos de alguns exemplos de falta de civismo, sensibilidade ou inteligência (ou uma mistura subtil desses três elementos).... o que dificulta muito a vida no dia a dia de quem anda de modo condicionado, mesmo se "Epa, amigo foi só para dois minutos" :( quando não somos agredidos e insultados por ter reclamado o direito de circulação no passeio!). Já agora um agradecimento muito sincero aos elementos da GNR da Mealhada que andam a fazer o máximo para resolver estes problemas e que sempre se mostraram atenciosos e atentos quanto a este assunto.








































































Já agora, estando os veículos em infracção, decidi não esconder as matrículas! :)

Multibanco Fraudulento

Muita animação nesta manhã do dia 21 se Setembro na Rua Doutor Américo Couto. Está a ser instalado na montra do conhecido café e pastelaria Cote D’ Azur (que eu recomendo a todos, desde da simpatia do emblemático João ao delicioso pastel de nata, uma das várias especialidades da casa:-9 ) uma caixa de Multibanco, e pelas informações recolhidas é da Caixa Agrícola (bom banco também). A instalação em si, foi rápidamente conluída, e umas horas mais tarde está a caixa a funcionar














Este equipamento foi estrategicamente instalado, e vai claramente dar muito jeito a muita gente (até para mim), só que tenho alguns receios porque vai trazer também alguns problemas :/ Bolas mas que tem o homem então contra este Multibanco que até diz ser útil? Que quer dizer ele com este título?



















Mas então que vem fazer aqui este título de "Multibanco fraudulento"?
Debrucei-me sobre o assunto e vejamos:
Decreto-Lei nº 163/2006 de 8 de Agosto de 2006
Secção 2.11 - Equipamentos de auto-atendimento:
=> São considerado equipamentos de auto- atendimento, equipamentos de venda de bens e serviços, tal com as caixas Multibanco, vending machine, vendas de selos, etc... Por isto esta caixa de Multibanco está incluída!


  • 2.11.1 - Nos locais em que forem previstos equipamentos de auto-atendimento, pelo menos um equipamento para cada tipo de serviço deve satisfazer as seguintes condições:
    1) Deve estar localizado junto a um percurso acessível;
    => Está correcto, está instalado num passeio com excelente condições…para quem não está numa cadeira de rodas...
    2) Deve existir uma zona livre que permita a aproximação frontal ou lateral de acordo com o especificado na secção 4.1;
    Secção 4.1 - Zonas de permanência:
  • 4.1.1 - A zona livre para o acesso e a permanência de uma pessoa em cadeira de rodas deve ter dimensões que satisfaçam o definido em seguida:
  • 4.1.2 - A zona livre deve ter um lado totalmente desobstruído contíguo ou sobreposto a um percurso acessível.
  • 4.1.3 - Se a zona livre estiver situada num recanto que confina a totalidade ou parte de três dos seus lados numa extensão superior ao indicado, deve existir um espaço de manobra adicional conforme definido em seguida:
    3) Se a aproximação ao equipamento de auto-atendimento for frontal, deve existir um espaço livre com uma altura do piso não inferior a 0,7 m e uma profundidade não inferior a 0,3 m;
    =>Aqui as coisas começam a resvalar...o que está escrito aqui acima? Em termo "leigos" isto significa que abaixo da caixa deve existir um volume livre não inferior a 70cm de altura, com uma profundidade não inferior a 30 cm. Não existe, e como é visivel, o Multibanco está à face da parede, tanto abaixo como acima dele :/

Porquê este volume debaixo da caixa?? Imagine-se (por mais que lhe custe) sentado numa cadeira de rodas com o peito amarrado de modo a não cair para a frente e de frente para uma parede. Se você tocar na parede com a ponta dos pés, até aonde consegue alcançar com as mãos? Consegue tocar na parede? Claro que não; agora se houver na parede um espaço onde possa encaixar pelo menos os seus pés, já consegue se aproximar ao suficiente para tocar com as mãos na parede!


4) Os comandos e controlos devem estar localizados a uma altura do piso compreendida entre 0,8 m e 1,2 m, e a uma distância da face frontal externa do equipamento não superior a 0,3 m;
=>De modo arbitrário e racional, os comandos e controlos os mais altos numa caixa Multibanco são os comandos à volta do monitor. Por isto fiz umas medições: o comando mais baixo nesta caixa está a 1,30m já a mais de 10 cm além do limite máximo de 1.20m, então que dizer da tecla mais alta a 1.40m?! todas essas dimensões são medidas em relação ao passeio, e como o volume de aproximação não existe, é impossível a alguém em cadeira de rodas atingir as teclas de selecção de opções.


5) Os dispositivos para inserção e retirada de produtos devem estar localizados a uma altura do piso compreendida entre 0,4 m e 1,2 m e a uma distância da face frontal externa do equipamento não superior a 0,3 m;
=>As caixas Multibanco tem vindo ao longo dos anos a melhorar as suas capacidades de prestação de serviços. Além de levantar dinheiro, ou de recarregar o seu telemóvel ou poder pagar as suas contas, é agora possível comprar um bilhete de comboio, ou até de concerto: um produto! Neste caso em concreto a saída do bilhete, os ditos "dispositivo para inserção e retirada de produtos" está localizando a 1.50m, mais de 30 cm acima do limite imposto pela lei :/ A ranhura do cartão está a 1.37m!


6) As teclas numéricas devem seguir o mesmo arranjo do teclado, com a tecla do n.º 1 no canto superior esquerdo e a tecla do n.º 5 no meio;
=>Esta disposição já padronizada há anos está correcta, mais sem o volume para as pernas, é impossível aceder ao teclado sentado numa cadeira de rodas, e de qualquer modo está muito alto :/


Agora os meus receios. Devido à sua localização e à qualidade dos seus produtos, não é invulgar ver carros estacionados em fila dupla à frente do café, desde alguns segundos para comprar pão, e outros largos minutos para um café e um pastel de nata, sem os condutores se incomodarem se estão ou não a perturbar o trânsito, ou impedir um carro de sair...já cheguei a ter de empurrar um carro após abrir uma porta... o dono saiu logo furioso...salvo pela GNR! :) . Alguns têm aquela atitude de Chico-esperto de estacionar sobre o passeio, usando para isso as rampas (muito mal feitas) e bloqueando assim os acesso ao passeio, o que já me valeu algumas conversas "quentes" com alguns atrofiados do bolbo (se me faço entender).














"Eu dizer a ti, isto passeio" " aqui lugar para estacionar teu carro, isto passeio, isto carro, tu perceberes?", e mesmo assim, alguns têm dificuldade em perceber o conceito.... Só mesmo com GNR. Agora, com o Multibanco lá... errrrrrrrrrr

Sugestão: Alterar um pouco o ambiente do Multibanco, colocar uma rampa para reduzir a altura relativa da caixa em relação ao chão, assim como recuar a parede de apoio da caixa, e ao menos a instalação de pinos nas passadeiras, reforço da sinalização horizontal e colocação mais clara e eficiente dos panéis de indicação de passadeira. Veremos quanto tempo vai decorrer até a cixa ser alterada, sendo amanhã entrague ao presidente da Câmara Carlos Cabral, um ofício sobre esta caixa...


segunda-feira, setembro 18, 2006

Sortido

Como existem as caixas de bombons e chocolates, aonde nunca se sabe o que há dentro da caixa e ainda menos de que é feito o recheio do bombom, um passeio na Mealhada e nas suas zonas limítrofes, é uma autêntica caixa de surpresas. Vejamos alguns pormenores das capacidades técnicas da CMM na realização de passadeiras! :) Há de tudo... para rir e para chorar :_(
Local: Alameda da Cidade no IC2


Estranho, pedi uns pinos desses perto de casa (numa passadeira para impedir os carros de subir o passeio), e disseram-me que era impossível porque podiam "perturbar o trânsito dos carros" (seja no passeio!) ... e aqui?


E mais alguns

Passeio rebaixado para as garagens, sim, mas e para os pedestres?

Rua Doutor Américo Couto

Cruzamento Americo Couto/ Ic2 :/ "acabad há menos de 6 meses", ou ainda por acabar?

Se já é um "fiel" frequentador deste blog, já está um pouco a par das normas e leis que já analisamos e tivémos ocasião de as aplicar a situações concretas na Mealhada! Por isso, por esta vez a leis serão neste "up to date" postas de lado... mas voltarão em breve com erros gravíssimos que implicam até com a segurança de todos :/
Continuando! :)

Essa é fantastica! Procurem lá o erro!

Mais?



Cruzamento Av. da Nora/ IC2. Esta zona foi recuperada há uns 3 ou 4 anos. Observe: do lado da Quinta da Nora, existem "rampas", Está "bom", não é o do melhor mas já ajuda, do lado dos Bombeiros (mais recente ainda): há um degrau aonde devia existir uma rampa! Agora a sério: quem é o responsável por isto?

Em breve, iremos dar um passeio pela Quinta da Nora... uma só, porque este conjunto de construções muito recente merece e requer muita atenção! ;) Uma autêntica mina de atropelos às normas e ao bom senso!

It's a question of time!

Já reparou que normalmente quando carregua num botão de comando de semáforo para este passar de vermelho para verde, e que quando o sinal de atravessar para as pessoas se acende você pode (e aliás deve) ouvir um pequeno sinal sonoro que avisa os cegos que a passagem está (teoricamente) segura?

Cold case nº 12: "o semáforo silencioso"

Não será surpresa para ninguém que já frequente este blog há uns dias que na Mealhada, que o semáforo (localizado na rotunda aonde se cruz a Av Dr Luiz C Navega, o IC2, e a Av C. Messias Baptista, mesmo frente ao Cine Teatro...
Não é o ÚNICO semáforo da cidade, o outro está algures no IC2 à frente de uma escola "qualquer"... cuja entrada já não é por aí. (Pode ir lá verificar se quiser) ; Dizia eu que este semáforo estratégicamente colocado para permitir aos alunos o acesso a uma entrada da escola que está fechada, dizia eu, não tem estas "piquinhices", ou por se tratar de um modelo antigo, ou pior ainda, por estar avariado!
Vejamos então se existe alguma coisa sobre isto, e vou dar o benefício da dúvida à Câmara. Vamos compulsar (isto está a tornar-se compulsivo ;o) )

Decreto Lei n.º 123/97 de 22 de Maio
Artigo 1º
Objecto1.
São aprovadas as normas técnicas destinadas a permitir a acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada, nomeadamente através da supressão das barreiras urbanísticas e arquitectónicas nos edifícios públicos, equipamentos colectivos e via pública, que se publicam no Anexo I
Ao presente decreto-lei e que dele fazem parte integrante.
Artigo 2º Âmbito de Aplicação
1. As normas técnicas aprovadas aplicam-se a rodos os projectos de instalações e respectivos espaços circundantes da administrarão pública central, regional e local, bem como dos institutos públicos que revistam a natureza de serviços personalizados ou de fundos públicos.
2. Aplicam-se igualmente aos seguintes projectos de edifícios, estabelecimentos e equipamentos de utilização pública e via pública:
f. Passagens de peões desniveladas, aéreas ou subterrâneas, para travessia de vias-férreas, vias rápidas e auto-estradas;
ANEXO I
Normas Técnicas
Para melhoria da acessibilidade dos cidadãos com mobilidade condicionada aos edifícios estabelecimentos que recebem público e via publica.
Capitulo 1
Urbanismo 2
- Passagens de peões: 2 1 4-
O sinal verde para os peões, nos semáforos, deve estar aberto o tempo suficiente para permitir a travessia com segurança, a uma velocidade de 2 m/5 s.
2.1 5- Devem existir sinais acústicos complementares nos semáforos, para orientação das pessoas com deficiência visual.
=> É um pouco difícil de colocar fotos de um som, mas garanto-lhe que o semáforo é mudo! E o outro também :( "The sound of silence")

Mas voltamos um artigo acima:
2- Passagens de peões:
2 1 4- O sinal verde para os peões, nos semáforos, deve estar aberto o tempo suficiente para permitir a travessia com segurança, a uma velocidade de 2 m/5 s. (dois metros em cada cinco segundos)

Tive a curiosidade de medir o tempo de travessia do IC2 por uma pessoa em plena possessão das suas capacidades físicas, o seu tempo médio de travessia é de 5 segundos, o que conjugado com os 28 segundos de tempo médio de sinal verde para pões é excelente.... só que (é claro que havia de haver um "só que") é que existe uma pequena surpresa para quem anda de cadeira de rodas.... Observem bem a foto, não estão a ver nada?
















Existe aí um degrau!
Assim, na minha cadeirinha vou ter de percorrer perto de 40 metros antes de chegar a beira do passeio (não rebaixado). Sabendo que a lei 123/97 de 22 de Maio estima que a minha velocidade media é de 2m/5 s na passadeira, vou usar esta mesma velocidade para calcular o tempo que sería necessário para percorrer os 40 metros (e em cadeira é obra...então de bengala ou de andarilho, nem quero pensar) que separa o comando do semáforo da passadeira. Por isso, à razão de 40cm/s (podem verificar que é a mesma coisa que 2m/5s) vou necessitar de algo como 100s, ou seja mais do triplo do tempo que o semáforo está verde para os pessoas :/ A pouco mais de meio caminho já está verde para os carros. Posição turbo, vou duplicar a minha velocidade, mesmo assim eu necessitaria de 50s, ! Triplicar (já estou a andar a atingir uma velocidade um pouco superior a 5km/h, sendo 5km/h a velocidade média de um transuente a pé num passeio em meio descoberto... o que quer dizer que, alguém a andar sem dificuldades a 5 km/h para percorrer esses famosos 40 metros mal chegaria ao passeio, quanto mais atraverssar! :/ ) e mesmo assim, ainda tenho que de descer do passeio para a estrada, fazer a travessia, e depois subir! O que é um tri-atleta de nível olímpico ao lado disto? Hum? A cadeira eléctrica não vale, é que nem toda a gente se pode oferecer um luxo desses! Mesmo se a cadeira andasse a 10 km/h o peso dela de qual modo invalida a tentativa de descer e subir a "rampa a 90º/ 100%"=> Passeio

Agora, na minha opinião a situação mais patética existente na Mealhada, é pior ainda que isto e condiciona também o acceso ao Cine-Teatro Messias . Situação absolumente vergonhasa numa zona totalemente reabilitada há menos de 3 anos, e que devia estar conforme as normas de 1997 :(. Pergunta: quem é que deu o aval para o "ok, está tudo bem! Podem continuar o trabalho"?

sexta-feira, setembro 15, 2006

Os caminhos de Deus são intransitáveis




















Local: Igreja Sant' Ana, Mealhada
Já não sei quem disse, ou se é na Bíblia que, está escrito que “todos os caminhos levam a Deus!”… a ver esta rampa, Deus está em todo os lado menos por aqui! E se ele tiver de vir de cadeira de rodas, vai ser complicado: (
Para esses que acham que a IP5 é a estrada da morte com os seus 9,4% de inclinação média, fiquem sabendo que a rampa da igreja tem uma inclinação não média mas constante de 23%! :/ O deficiente em cadeira de rodas não tem ao contrário do seu carro, nem ABS, nem assistência anti patinagem, nem air-bag…nada para o travar! E que acima de 9% de declive (ou aclice consuante o sentido, e a perspectiva de cada um, uma cadeira de rodas manual pode virar, e uma electrica não fera muito melhor :/)
Sendo de 1992, a igreja tinha até 2004 para corresponder às normas … vejamos o que diz o Decreto-lei n.º 123/97 de 22 de Maio de 1997
Artigo 1º
Objecto
1. São aprovadas as normas técnicas destinadas a permitir a acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada, nomeadamente através da supressão das barreiras urbanísticas e arquitectónicas nos edifícios públicos, equipamentos colectivos e via pública, que se publicam no Anexo I ao presente decreto-lei e que dele fazem parte integrante.
Artigo 2º
Âmbito de Aplicação
1. As normas técnicas aprovadas aplicam-se a rodos os projectos de instalações e respectivos espaços circundantes da administrarão pública central, regional e local, bem como dos institutos públicos que revistam a natureza de serviços personalizados ou de fundos públicos.
2. Aplicam-se igualmente aos seguintes projectos de edifícios, estabelecimentos e equipamentos de utilização pública e via pública:
l. Igrejas e outros edifícios destinados ao exercício de cultos religiosos
=> Ok, é bem uma igreja (até ver), por isto o decreto applica-se
Período de Transição
1- As instalações, edifícios e estabelecimentos, bem como os respectivos espaços circundantes, a que se refere o Artigo 2.º, já construídos e em construção que não garantam a acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada terão de ser adaptados no prazo de sete anos, para assegurar o cumprimento das normas técnicas aprovadas pelo presente diploma.
=>Vejamos, estamos em 2006, e 1997 com 7 anos em cima, dá 2003, Bolas...já está fora de prazo, por isso dá multa :/
Com rampas e processos, a igrega católica vai ter de vender o papa-móvel

Artigo 3º
Coimas
1- Sem prejuízo da aplicação de outras normas sancionatórias da competência das entidades licenciadoras, a execução de quaisquer obras com violação das normas técnicas aprovadas pelo presente diploma é punida com coima de 50 000$00 a 500 000$00.
2- Quando as coimas forem aplicadas a pessoas colectivas, os montantes fixados no número anterior são elevados para 100 000$00 e 2 000 000$00.
3- A competência para determinar a instauração dos processos de contra-ordenação, para designar o instrutor e para aplicar as coimas pertence às entidades referidas no Artigo 6.º
=>E como a partir de agora é a lei de 163/2006, de Agosto, que se aplica...vai doer, mesmo no fim do prazo! Se calhar é melhor começar a fazer um tronco para os trocos para a rampa!

ANEXO I
Normas Técnicas
Para melhoria da acessibilidade dos cidadãos com mobilidade condicionada aos edifícios estabelecimentos oue recebem publico e via publica.
Capitulo 2
Acesso aos Edificios
1- Rampas de acesso - as características técnicas das rampas de acesso aos edifícios são idênticas às previstas no capitulo anterior, devendo observar-se que a inclinação máxima não pode ultrapassar 6 % e os lanços deverão ter uma extensão máxima de 6 m, considerando-se a largura mínima de 1 m.
=> Salta á vista, com uma altura de 97cm, um comprimento de 4,20m a rampa tem uma inclinação de 23%!! Quem foi o filho de Deus que concebeu uma coisa destas?

Seja:

2.2.1- Por rampas:
2.2.1.1- A inclinação máxima das rampas é de 6 % e a extensão máxima, de um só lanço, é de 6 m. A cada lanço seguir-se-á uma plataforma de nível para descanso com a mesma largura da rampa e o comprimento de l,50 m.
=> Existe, é uma treta mas existe.
2.2.1.2- A largura mínima das rampas é de 1,50 m, devendo ambos os lados ser ladeados por cortinas com duplo corrimão, um a 0,90 m e outro a 0,75 m, respectivamente, da superfície da rampa. Os corrimãos devem prolongar-se em 1 m para além da rampa , sendo as extremidades arredondadas.
Pode ser dispensada a exigência de corrimãos quando o desnível a vencer pelas rampas seja inferior a 0,40 m.
=>Bem, 97>40, por isso não dispensa da existência de corrimão, por isso é claro, devia haver dois corrimões...e só há um, o dos 75cm (bem, está a 70cm, mas ao menos está lá) e não acaba 1 metro para além da rampa, por isso as extremidades aredondades... A rampa tem 2,30m de largo: está dentro dos valores (é uma das poucas na Mealhada :/ )

2.2.1.3- Os pavimentos das rampas devem, pelo seu lado de fora, ser igualmente ladeados por uma protecção com 0,05 m a 0,10 m de altura, ao longo de toda a extensão, a qual ramatará com a superfície do piso através de concordância côncava.
=> Bem, como a rampa está entre uma parede e um muro, a coisa está certa quanto à altura. Já o remate em concoedância côncava... é mesmo na perpendicular.

2.2.1.4- A textura dos revestimentos das superficies dos pisos das rampas deve ser de material que proporcione uma boa aderência e com diferenciação de textura e cor amarela no início e no fim das rampas.
=>Azulejos "quase" antiderapantes ...vou ser meio por meio, pelo menos não é marmore polido a espelho...
Quanto a tinta amarala, nenhum sinal dela...